o conforto dos espaços abertos

the solace of open spaces

Tenho lembrado muito do documentário Grey Gardens ultimamente, porque tenho praticado a solitude, que pode se tornar isolamento muito facilmente. Se você é uma pessoa criativa de alguma forma, tem gato por perto e alguma bagunça, já é pré-requisito para ser uma Beale. Big Edie and Little Edie, mãe e filha parentes diretas de Jacqueline Kennedy, um tanto quanto excêntricas são abandonas pela família quando o marido de Big Edie morre, e passam a viver completamente isoladas do mundo na mansão povoada por gatos e guaxinins, que ao longo dos anos degradou-se por completo, no rico Hamptons nos anos 70.
Faz algum tempo que assisti ao documentário, belíssimo e um tanto quanto melancólico. As duas mulheres passam grande parte do tempo discutindo, cantando, dançando e ensaiando coreografias memorizadas, e alimentando inúmeros gatos e guaxinins que surgem dos buracos nas paredes da mansão que já não tem água ou luz, como numa cápsula do tempo.

I have been thinking a lot about the documentary Grey Gardens lately, because I’ve been practicing solitude, which may easily become isolation. If you are a somewhat creative person, has a cat around and some mess, you may qualify for becoming a Beale. Big Edie and Little Edie, mother and daughter directly related to Jacqueline Kennedy, quite eccentric, abandoned by their family after the death of Big Edie’s husband and start to live in complete isolation from the world at their mansion populated by cats and raccoons, which has degraded along the years, in the rich Hamptons in the 70’s.
It’s been a while since I’ve watched the documentary, beautiful and quite melancholic. Both women spend their days quarreling, singing, dancing and rehearsing memorized choreographies, and feeding countless cats and raccoons lurking out of holes on the walls of the mansion, lacking water and electricity, a time capsule of sorts.

No mesmo dia, fui a um festival de filme e assisti ao lindíssimo Heima, documentário que segue o Sigur Ros por uma turnê pela Islândia, de volta pra casa depois de longos meses tocando mundo afora. A banda toca no meio de vales floridos, onde as pessoas trazem suas cadeiras e fazem picnic, toca em uma cidade com uma população de menos de 10 pessoas onde uma fábrica de pesca havia fechado, e em lugares completamente inusitados, por pura paixão pelo que fazem, e como fazem bem!

On the same day, I went to a film festival and watched the wonderful Heima, a documentary which follows Sigur Rós on a tour in Iceland, back home after long months of playing gigs around the world. The band plays amidst flowery valleys, where people bring their own chairs and make picnic; they play in a town populated by less than 10 people or so where a fishing factory had closed down, and in completely unusual places, simply out of passion for what they do, and how well they do it!

Voltando pra casa foi impossível não traçar um paralelo entre os dois percursos que tinha seguido no mesmo dia.
A cor verde era muito presente nos dois filmes. No caso do Grey Gardens, um verde envelhecido, embolorado quase que um sopro de vida. Já o Heima invadia a tela com o verde vivo dos espaços abertos, uma sensação completamente oposta.
Um antagonismo tão sufocante mas paralelo, sobre escolhas e caminhos, e sobretudo sobre a paixão, realizada ou apenas sonhada, inerente ao ser humano. Impossível de não ser vivida de alguma forma, qualquer que seja; às vezes difícil mas sempre bela, quase sempre inatingível.

Going back home it was impossible not to trace a parallel between these two routes I had followed on the same day.
The green color is very present on both films, In the case of Grey Gardens, an aged green, musty almost like a blow of life. Heima on the other had, invaded the screen with very bright green of open spaces, a completely opposite feeling.
Such an overwhelming antagonism, but parallel about choices and paths, and mostly about passion, realized or simply dreamed, inherent to the human being. Impossible not to be lived somehow, how ever it may be; some times hard but always beautiful, at most times unattainable.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s